É trabalho. É vida melhor.

Com apoio da Prefeitura de Jequié, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia promove XVIII Semana de Educação da Pertença Afro-Brasileira

SECOM - Secretaria de Comunicação - terça-feira, 22 de novembro, 2022


No domingo, 20, Dia da Consciência Negra, a Casa da Cultura Pacífico Ribeiro, no Centro, foi palco da culminância da XVIII Semana de Educação da Pertença Afro-Brasileira, evento promovido pelo Órgão de Educação e Relações Étnicas (Odeere), da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, que contou com apoio da Prefeitura de Jequié, através da Secretaria de Cultura e Turismo. Estiveram presentes, o secretário de Cultura e Turismo, Domingos Ailton; a assistente social e mestranda do curso de Relações Étnicas e Contemporaneidade, da UESB, Ariadini de Almeida Dócio; a professora e fundadora do Odeere, Marise de Santana, e os membros do Odeere, os professores Natalino Perovano Filho e Marcos Lopes de Souza; o escritor, antropólogo e professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Vilson Caetano; a doutora em antropologia da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, Joanice Conceição; a equipe técnica da Secretaria de Cultura e Turismo; além de representantes das religiões afro-brasileiras de Jequié, de outros municípios e, até, de outros estados.O evento foi aberto com uma oficina de toque de atabaque. Em seguida foi realizada a apresentação teatral de “Oxotokanxoxô – o Caçador de uma flecha só”, apresentado pelo grupo Encompanhia de Interesses Populares e, logo após, teve início a roda de conversa sobre memórias dos candomblés no Sul e sudoeste da Bahia e na sequência, a roda de conversa sobre as religiões de matrizes africanas. O público presente pôde acompanhar as discussões a respeito de variados temas, como inclusão, discriminação, intolerância religiosa, povos de Santo, entre outros temas relativos às relações étnicas e sociais. No encerramento, os participantes pediram respeito às diversidades e fizeram uma caminhada pela paz e contra a discriminação religiosa, saindo da Casa da Cultura, na Rua Jerônimo Sodré, até a Praça Cavaleiro de Aruanda, Centro.

“É sempre um prazer um momento como esse. Nós, que somos da UESB, temos um compromisso grande com a comunidade. Temos que trabalhar com questões como a discriminação, não podemos continuar com esse entendimento que de que tudo que é da africanidade é algo negativo, é algo ruim, é algo menor. Precisamos trabalhar e dar às pessoas a oportunidade de conhecerem as religiões afro-brasileiras.”, destacou a professora Marise de Santana, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

“Momento importante e representativo, ainda mais em um dia, também, muito especial, como o Dia da Consciência Negra. Dia de celebrar a cultura, a arte, a culinária, a religião, os saberes e os fazeres do povo negro e uma oportunidade para reforçar ações propositivas e, assim, ajudar a acabar com a discriminação, que muitas vezes ocorre por falta de conhecimento por parte das pessoas. Nós enquanto responsáveis pela execução das políticas públicas, temos procurado implementar ações mais inclusivas e com equidade, prestando apoio sempre de forma muito democrática, como tem que ser.”, disse o secretário de Cultura e Turismo, Domingos Ailton.